Especialização e Residência

Programa de Residência Médica

Programa de Residência Médica

Os documentos abaixo oficializam a criação do Programa de Residência Médica:

Acadêmicos de Medicina conheçam a Especialidade

Patologia Clínica é uma especialidade médica que contribui para a prevenção, diagnóstico, tratamento e monitoramento das doenças através de exames em amostras clínicas.
Muito embora a Patologia Clínica/Medicina Laboratorial seja uma especialidade médica, muitos ainda não descobriram a sua abrangência, considerando-a apenas como uma atividade que realiza exames laboratoriais, independentemente da formação técnica e profissional do responsável pela realização desses exames.

Sabe-se que em alguns países, inclusive no Brasil, exames de laboratório são realiza-dos por profissionais ”não médicos” da área da saúde, como farmacêuticos e biomédicos.

O que distingue os Patologistas Clínicos desses outros profissionais?

O Patologista Clínico é o profissional que tem o conhecimento necessário para uma comunicação bidirecional no mesmo nível que o médico solicitante. Porque possui a mesma formação médica, além de estar preparado para escolher a melhor metodologia, executar o exame, interpretar os resultados e esclarecer o médico solicitante quanto a resultados atípicos.

Essas atividades transformam o Patologista Clínico num valioso elemento de ligação entre aspectos físicos, químicos, biológicos e clínicos da medicina, tanto no atendimento ao paciente como aos colegas médicos. A especialidade agrega um grande valor ao Patologista Clínico, na medida em que o capacita para discutir as implicações clínicas dos resultados e sugerir métodos propedêuticos alternativos para uma determinada situação, transformando-o num verdadeiro consultor do médico solicitante.

Funções e conhecimentos do médico Patologista Clínico:

As funções exercidas pelo médico Patologista Clínico são diversas, desde atividades administrativas, técnicas e de consultoria. A especialidade oferece subsídios para que ele tenha condições de:

  • Planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades dos colaboradores do laboratório.
  • Executar e implementar procedimentos técnicos e administrativos do laboratório.
  • Selecionar, desenvolver, avaliar e propor inovações técnicas.
  • Participar na realização de estudos especiais e de investigação dentro da especialidade.

A área de conhecimento do médico Patologista Clínico é ampla, podendo ser adequada às aptidões do profissional. Abrange:

  • A fisiologia, bioquímica, imunologia, química clínica, hematologia, microscopia clínica, microbiologia (que inclui a parasitologia, micologia e virologia) e a biologia molecular.
  • Colheita de material biológico, medidas de segurança em saúde, preparo de reagentes, equipamentos e processos, controle de qualidade de processos.
  • Atividades administrativas, informática em saúde, pesquisa e ensino.
A Patologia Clínica é uma atividade interessante, que utiliza tecnologia de ponta, enfrenta desafios diários que exigem sólidos conhecimentos e capacidade de decisões. Além de ser extremamente gratificante pela objetividade dos resultados. Ou seja, tem tudo para fazer parte das especialidades que você está analisando para abraçar após sua graduação.

Como surgiu a especialidade?

A Patologia Clínica/Medicina Laboratorial é uma especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

A implantação de Programa de Residência Médica em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial tem cerca de 25 anos e uma forma de acessá-la é através da Residên-cia Médica em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial.

Oficialmente, a residência médica no Brasil teve seu reconhecimento como forma de treinamento e especialização médica em 1977, estando sob tutela do Ministério da Educação e Cultura desde então. A partir de sua organização, os programas de Residência Médica em Patologia Clínica-Medicina Laboratorial (RMPC/ML) passaram por diferentes modelos de regulamentação.

Em 2002, após ouvir as sociedades de todas as especialidades médicas, a CNRM publicou a Resolução 01/2002, fazendo alterações nos programas de residências médicas reconhecidos pelo MEC. Foram altera-dos os seguintes pontos de Residência Médica em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial:

  • O acesso passou a ser direto na especialidade.
  • Duração de 3 anos.
  • O primeiro ano deverá ser cursado no ambiente de atenção direta ao paciente, enfermarias e ambulatórios de clínica médica, especialidades clínicas, urgências, ginecologia e obstetrícia e pediatria.
  • Foi integrada ao programa a necessidade de oferta formal de informação e treinamento em epidemiologia, estatística, informática médica e gestão de laboratórios clínicos.

Mercado de trabalho

O profissional qualificado encontra excelentes oportunidades no mercado de trabalho, tanto em âmbito ambulatorial quanto nos hospitais espalhados pelo País.

A tendência mundial de fusões que chegou ao Brasil não restringiu a ação do Patologista Clínico, pelo contrário, a Medicina Laboratorial cresce a cada ano com a ampliação das opções diagnósticas, permitindo ao profissional gabaritado, disseminar a informação, agregando valor ao exame e valorizando cada vez mais sua atividade.

Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial ou simplesmente TEPAC

Quem já concluiu Residência Médica em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial pode realizar prova para obter o Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial – TEPAC. Informe-se no link TEPAC sobre os Editais de cada ano.